O Mercado de créditos de carbono foi o tema da reunião técnica de ILPF, em Caldas Novas-GO.

O Mercado de créditos de carbono foi o tema da reunião técnica de ILPF, em Caldas Novas-GO.

O evento teve como público pesquisador, técnicos, produtores e outros profissionais convidados pelas instituições associadas à Rede ILPF. Fazem parte da associação Bradesco, Cocamar, Embrapa, John Deere, Soesp, Syngenta, além da Suzano, que acaba de se associar à Rede. A empresa do setor florestal, entretanto, não será a caçula por muito tempo. O presidente da Assembleia da Rede ILPF, Luiz Lourenço, anunciou em primeira mão a entrada da Minerva.

mercado de carbono

A programação técnica teve início com apresentação sobre a Câmara Temática de Carbono, uma iniciativa da Rede ILPF para defender o efeito dos sistemas ILPF para descarbonização. De acordo com Bruno Alves, pesquisador da Embrapa Agrobiologia e coordenador da Câmara, o trabalho iniciado em 2022 visa organizar informações e gerar técnicos nacionais para possibilitar maior representação da ILPF no inventário nacional de mitigação de gases de efeito estufa.

“Objetivo de proteger o efeito ambiental de grande importância dos sistemas ILPF. Estamos nos estruturando para ter bases de informação e também para representar os produtores que trabalham com ILPF, os associados e as empresas que dão suporte a isso, dentro de fóruns de governo onde se discutem as políticas públicas para que a gente valorize de fato a importância desses sistemas na questão do carbono”, explicou ou Bruno Alves.

As iniciativas da Câmara Temática de Carbono visam possibilitar que produtores e instituições que trabalham com ILPF façam parte do mercado de carbono. Conforme apresentado Eduardo Bastos, da MyCarbon, somente em 2022 o mercado regulado movimentou US$ 865 bilhões no mundo e a tendência é de que até 2025 esse valor ultrapasse os US$ 1 trilhão. Mercado regulado é aquele no qual participante dos países que possuem compromissos formais de redução e compensação de emissões de gases de efeito estufa.

Há ainda o grande potencial do mercado voluntário, que movimentou US$ 2 bilhões em 2022 e estima-se um aumento para cerca de US$ 100 bilhões até 2030. Este mercado envolve países e empresas sem compromissos formais, como é o caso do Brasil.

Em sua apresentação, Eduardo mostrou que a América Latina é a região do globo com melhores condições de prover esse mercado, com o Brasil ocupando espaço de destaque. Ele também mostrou que há diferentes tipos de créditos de carbono, como os gerados pela conservação florestal, pelo reflorestamento e pela adoção de boas práticas agropecuárias, como a recuperação de pastagens degradadas e ILPF. Cada tipo tem um valor diferenciado.

Porém, para acessar as oportunidades do mercado de crédito de carbono, há desafios que precisam ser superados. O processo de elaboração de projetos, regulação, certificação, medição, reportagem e verificação foram discutidos em uma mesa redonda que finalizou a programação.

Moderada pelo professor Carlos Sanqueta,  da Universidade Federal do Paraná, o debate contou com a participação de Vanessa Biral, da BR Carbon, Savio Sardinha, da Future Carbon, Renato Rodrigues, da Regrow e Marcela Porto, da Olan Agri.

Os debatedores falaram sobre as etapas para elaboração de projetos de crédito de carbono. Ainda caros e complexos, a recomendação é que eles devem ser elaborados por empresas especializadas, por meio associações, cooperativas, agentes de fomento e bancos. Outro aspecto levantado é o tempo que se leva desde o início o recebimento pela venda dos créditos até.

Os debatedores destacam ainda que o crédito de carbono não deve ser o foco do produtor e sim uma consequência das boas práticas adotadas para melhoria do solo de sua propriedade e aumento da produtividade.

Homenagens

Reunião Técnica também marcou homenagens prestadas pela Rede ILPF à Embrapa pela celebração de seus 50 anos e para dois dos responsáveis ​​pela criação da empresa em 1973: o ex-presidente da Embrapa Eliseu Alves e o ex-ministro da Agricultura Alisson Paolinelli.

Eliseu Alves participou da primeira diretoria e ajudou a construir o modelo da instituição. Ele se apostou no fim do ano passado, após 49 anos de dedicação à pesquisa. Já Paolinelli foi ministro no período de criação da Embrapa e grande incentivador do modelo de desenvolvimento do setor agropecuário por meio da ciência.

A homenagem à Embrapa foi recebida pelo presidente Celso Moretti, que aproveitou a oportunidade para convidar os presentes para a festa do cinquentenário no dia 26 de abril, em Brasília.

Prêmio Rede ILPF

Durante a Reunião Técnica também foram entregues os troféus e certificados para os vencedores da terceira edição do Prêmio Rede ILPF de Jornalismo e da segunda edição do Prêmio Rede ILPF de Fotografia.

O tema da edição deste ano dos prêmios foi “Sistemas ILPF, intensificação sustentável por meio das tecnologias agropecuárias”. Confira os vencedores:

Vencedores do Prêmio Rede ILPF de Jornalismo  

Categoria reportagem escrita

Denise Saueressig, com a reportagem “ Boi na Sombra ”, da Revista Globo Rural;

Categoria reportagem em audiovisual

Raquel Sousa Maia, com matéria “ ILPF: O aumento da produção agropecuária de forma sustentável no contexto da Amazônia   ”, do programa de televisão Roraima Rural, exibido pelo Grupo Rede Amazônica. A reportagem teve co-autoria de Raimesson Martins e Lucas Wilame.

 Categoria reportagem em veículo estrangeiro

Silvia Richter, com a reportagem  A abordagem do Brasil para a agricultura de baixo carbono , publicada na revista Rural 21 – the International Journal for Rural Development.

 Categoria reportagem de profissionais da Rede ILPF

Francisco Lima, da Embrapa Clima Temperado, com a reportagem “Estratégias de manejo garantem pasto todo o ano e facilitam integração lavoura-pecuária,” veiculada no Canal Terra Sul. A produção teve como coautores Cristiane Betemps e Gabriel Fritsch.

Vencedores do Prêmio Rede ILPF de Fotografia

Categoria Aberta

Lana Cristina Baumgärtner, com a fotografia “Boi na sombra”.

Categoria Profissionais da Rede ILPF

Esmael Lopes do Santos, da Embrapa Soja, com a foto “ILPF, ILP, IPF visto do alto”.

Gabriel Faria (MTB 15.624 MG)
Embrapa Agrossilvipastoril

perguntas da imprensa
[email protected]