Caravana ILPF percorre seis cidades do Maranhão e Piauí para divulgar o potencial dos sistemas integrados.

A Caravana ILPF percorreu o Maranhão e Piauí entre os dias 7 e 12 de novembro. As atividades da expedição técnico e científica, começaram pelo município de Santa Inês (MA) . A primeira ação foi uma visita técnica na Fazenda Muniz, Unidade de Referência Tecnológica (URT) da Embrapa Cocais e área experimental para projetos da Universidade Estadual do Maranhão (UEMA), onde existem modelos de integração com babaçu, eucalipto, sabiá e gado.

O proprietário Luciano Muniz implantou o sistema de integração Lavoura-Pecuária-Floresta há sete anos e conduziu a apresentação da propriedade. Os pesquisadores da Embrapa Cocais Joaquim Bezerra Costa e Guilhermina Cayres, falaram sobre os projetos da Unidade desenvolvidos na fazenda e região.

“Eventos como esses são muito importantes para disseminarmos a ILPF de uma maneira bastante clara e falarmos sobre os benefícios financeiros, produtivos e sociais desse sistemas integrados.” Conclui o pesquisador, Joaquim Bezerra.

A oficina Adopt, ferramenta agropecuária para identificar e otimizar a adoção de tecnologias agropecuárias, também faz parte das atividades da Caravana, foi ministrada em três cidades, pelo coordenador da Caravana ILPF e pesquisador da Embrapa Gado de Leite, Marcelo Muller, para grupos de técnicos, pesquisadores e representantes de vários setores do segmento agropecuário dos municípios de Santa Inês (MA), Itapecuru-Mirim (MA) e Chapadinha (MA).

“Com a aplicação dessa ferramenta a gente consegue de uma maneira muito rápida identificar problemas e apontar soluções que melhor adaptam as áreas por onde estamos passando, isso otimiza recursos e aceleram a adoção de novas tecnologias para os produtores,” enfatiza Muller.

Em Itapecuru Mirim (MA), além da oficina Adopt, estudantes da Escola Agrícola Casa Familiar Rural, do povoado de Serra, participaram de uma bate-papo sobre ILPF e conheceram um pouco mais sobre os projetos desenvolvidos para as melhorias da cadeia do extrativista do babaçu.

“Trabalhos com esse público são muito importantes levar informação e capacitar estes jovens que estão entrando no mercado profissional,” afirmou Marcílio da Frota, um dos palestrantes do evento.

A pesquisadora Guilhermina Cayres, detalhou o projeto que desenvolve alternativas para a cadeia sócio produtiva do babaçu com quebradeiras de coco de comunidades da região

“O projeto trabalha o desenvolvimento de novos produtos, como gelado, bolo, biscoito e hambúrguer, são produzidos quase integralmente com base vegetal, sem adição de açúcar, glúten e lactose. Produtos de grande procura no mercado, além de melhoria das condições de trabalho, empreendedorismo e certificação”

A parceria com a Cooperação Brasil-Alemanha, por meio da Deutsche Gesellschaft für Internationale Zusammenarbeit (GIZ) GmbH, pelo Programa Cadeias Sustentáveis.

As ações continuaram em Anapurus (MA), com palestras e a entrega do Selo Brasil Agrosustentável para três produtores da região.

“Conquistas como estas mostram que estamos no caminho certo e com esta certificação várias portas serão abertas,” afirma Victor Barbosa, proprietário da fazenda Barbosa, que recebeu o selo ouro durante o evento.

Na passagem por Piracuruca já no Piauí, alunos de Agronomia da Uespi e estudantes da escola técnica professor Antônio Brito Fortes, além de vários representantes de entidades ligadas ao tema participaram da palestra feita no Parque Fernando Magalhães, que teve como tema, o caso de sucesso de ILPF da Fazenda Barbosa de Brejo no Maranhão e sistemas integrados como sistemas indutores de agricultura sustentável com Henrique Antunes e Raimundo Bezerra, ambos pesquisadores da Embrapa Meio-Norte.

“Mostrar o potencial da tecnologia é de extrema importância para disseminar o assunto e avançarmos em área” enfatizou o pesquisador Henrique Antunes.

O quinto e último dia de atividades da Caravana ILPF foi na sede da Embrapa Meio-Norte, em Teresina (PI), Alzir Aguiar Neto da Aprosoja, Henrique Nunes da Embrapa Meio-Norte e Lívio de Souza, diretor de fruticultura da Seagro, conduziram o debate sobre pontenciais da ILPF na região Meio-Norte.

“A caravana do ILPF veio fortalecer a necessidade de encaminharmos mecanismos de adoção do uso de produtores de sistemas integrados, mostrando que a integração lavoura pecuária que se tornou uma política pública pelo governo federal.A tecnologia vem sendo pesquisada pela Embrapa há mais de 25 anos e consolida-se como uma alternativa para garantirmos sustentabilidade na produção de grãos e para a produção de proteína animal aliado à essa sustentabilidade,” finalizou Anísio Lima, Chefe Geral da Embrapa Meio-Norte.

0 Comentário

Caravana ILPF chega ao Maranhão e Piauí com diversas atividades.

Entre os dias 7 e 11 de novembro a Caravana ILPF vai percorrer diversas cidades dos dois Estados.

Clique aqui, veja a programação completa e faça sua inscrição.

A Caravana ILPF é uma realização da Rede ILPF e Associadas, com o objetivo de difundir e ampliar a área de ILPF no Brasil, além de realizar diagnósticos regionais sobre os sistemas integrados nas diversas regiões produtoras do país.

A expedição técnica e científica (Caravana ILPF) é composta por pesquisadores da Embrapa e técnicos da Rede ILPF e está percorrendo diversos estados brasileiros com ações previstas até o final de 2023.

A passagem da Caravana ILPF pelas cidades prevê dias de campo, palestras, oficinas, visitas institucionais e técnicas a produtores rurais, cooperativas, universidades, centros de pesquisa e diversos segmentos do agronegócio, públicos e privados.

Representantes das empresas que formam a Rede ILPF: Bradesco, Cocamar, John Deere, Soesp, Syngenta e Embrapa participam das atividades levando informações sobre o tema.

Nesta etapa a Caravana vai abordar os principais aspectos da Integração Lavoura-Pecuária-Floresta para os estados dois Estados, levando em consideração as características e potenciais de cada região.

Da área total plantada de soja, milho, algodão e feijão em território brasileiro, cerca de 10% estão localizados na região do Matopiba, que corresponde aos estados do Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia e até o ano de 2019 foram produzidas 14,94 milhões de toneladas de soja. A região também se destaca por deter 7,3% do rebanho bovino, e até o ano de 2016, respondia a uma área de 450 mil hectares de florestas plantadas (Serviço Florestal Brasileiro, 2018).

Maranhão tem cerca de 4,79 milhões de ha com uso agropecuário e 5,59 milhões de ha no Piauí, juntos correspondem a aproximadamente 2% da área de uso agropecuário com algum tipo de sistema integrado de produção, evidenciando o grande potencial dessas regiões.

Parceria

No Maranhão e Piauí, além da parceria com a Embrapa Cocais e Embrapa Meio-Norte, a Caravana ILPF conta com o apoio do Projeto Desenvolvimento Agrícola Sustentável, executado pela Associação Rede ILPF e Embrapa, em parceria com a Cooperação Brasil-Alemanha por meio da Deutsche Gesellschaft für Internationale Zusammenarbeit (GIZ) GmbH, pelo Programa Cadeias Sustentáveis, com a colaboração do Governo do Maranhão.

Nova Etapa MA | PI

A terceira edição da Caravana ILPF de 2022, vai percorrer as cidades de Santa Inês (MA), Itapecuru Mirim (MA), Chapadinha (MA), Anapurus (MA), Piracuruca (PI) e Teresina (PI), entre os dias 7 e 11 de novembro.

Clique aqui, veja a programação completa e faça sua pré-inscrição.

Etapas anteriores

Etapa ES |BA

A primeira etapa considerada piloto, aconteceu entre os dias 4 e 8 de abril e percorreu seis cidades: Linhares (ES), Pedro Canário (ES), Nova Venécia (ES), Teixeira de Freitas (BA), Itabela (BA) e Eunápolis (BA), entre o norte do Espírito Santo e Sul da Bahia.

Etapa PR | SP | MS

Entre os dias 8 e 12 de agosto a Caravana ILPF passou pelas cidades de Maringá (PR), Jardim Olinda (PR); Presidente Prudente (SP), Santa Rita do Pardo (MS), Nova Andradina (MS); Dourados (MS) e Campo Grande (MS).

ILPF no Brasil

A ILPF é uma tecnologia de produção agropecuária com grande potencial de mitigação de emissões de gases de efeito estufa e sequestro de carbono pelo solo e biomassa, além de uma série de outros benefícios socioambientais e econômicos. A implementação dos sistemas ILPF variam de acordo com as características de cada região.

Metas

Segundo estimativas da Rede ILPF para a safra 2020/2021, a área ocupada com os sistemas ILPF no Brasil corresponde a 17,4 milhões de hectares. A Rede ILPF tem o propósito de ampliar essa área para 35 milhões de hectares até 2030, além de diversificar os sistemas de produção e aumentar a representatividade do componente florestal nesses sistemas.

Dessa forma, a ILPF irá contribuir para o alcance das metas apresentadas pelo Brasil em sua Contribuição Nacionalmente Determinada (NDC) ao Acordo de Paris durante a COP-21 e reforçadas pelo Programa ABC+ do MAPA e os compromissos assumidos na COP-26.

Sobre a Rede ILPF

A Associação Rede ILPF é formada e cofinanciada pelas empresas Bradesco, Cocamar, John Deere, Soesp, Syngenta e pela Embrapa e tem como propósito contribuir para o aumento da produtividade de forma sustentável no campo.

A Rede ILPF atualmente apoia uma rede com 16 Unidades de Referência Tecnológica (URT) e 12 Unidades de Referência Tecnológica e de Pesquisa (URTP), distribuídas entre os biomas brasileiros e envolvendo a participação de 22 Unidades de Pesquisa da Embrapa.

0 Comentário

Equipe da Embrapa Agrossilvipastoril mostra tecnologias de baixo carbono a jornalistas europeus.

Seis jornalistas de veículos europeus estiveram na Embrapa Agrossilvipastoril na última quarta-feira para conhecerem as pesquisas realizadas com tecnologias de baixa emissão de carbono, sobretudo os sistemas integrados de produção agropecuária. O grupo também visitou duas fazendas na região de Sinop (MT), onde puderam ver a adoção de integração lavoura-pecuária (ILP) e da integração lavoura-pecuária-floresta (ILPF).

Os profissionais vieram a Brasil a convite da Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex Brasil). Antes de irem a Sinop, eles participaram do Global Agribusiness Forum, onde assistiram a uma palestra do presidente da Embrapa Celso Moretti, que antecipou a eles algumas das informações que veriam in loco em Mato Grosso.

Na Embrapa Agrossilvipastoril o grupo foi recebido pela chefe-geral, Laurimar Vendrusculo, pelo chefe-ajunto de Transferência de Tecnologia, Flávio Wruck, e por pesquisadores e analistas de Transferência de Tecnologia. Eles conheceram o trabalho feito pela Unidade, viram as pesquisas sobre mensuração das emissões de gases de efeito estufa nos sistemas produtivos, visitaram dois dos maiores experimentos de ILPF do país, viram pesquisas sobre a recuperação de ecossistemas e ouviram sobre o uso de sistemas agroflorestais.

Os repórteres aproveitaram para tirar muitas dúvidas sobre as pesquisas e resultados obtidos, bem como as estratégias de transferência de tecnologia para possibilitar a adoção pelos produtores.

“A visita de profissionais da comunicação, principalmente do continente europeu, foi importante porque permitiu informar conceitos, vivenciar práticas e avaliar resultados que contribuem significativamente para melhorar a sustentabilidade e produtividade de sistemas agrícolas tropicais. A sensibilização destes profissionais permitirá dar escala ao excelente trabalho desenvolvido na Embrapa Agrossilvipastoril, apesar de todos os nossos desafios”, avaliou a chefe-geral da Embrapa Agrossilvipastoril, Laurimar Vendrusculo.

Fazendas com sistemas integrados

No dia seguinte os jornalistas visitaram duas fazendas indicadas pela equipe da Embrapa. Na Fazenda Santana, em Sorriso (MT), o proprietário Juliano Paiva contou a história da família, que se mudou de São Paulo para Mato Grosso na década de 1970. Ele apresentou a fazenda e levou o grupo até a área onde é feita a integração lavoura-pecuária. Parte da fazenda é usada em experimentos conduzidos pela Embrapa e UFMT em projeto sobre consórcios de segunda safra para ILP e para plantio direto. Cristina Delicato, representante do Clube Amigos da Terra de Sorriso, também falou sobre o projeto de soja responsável e a venda de créditos de carbono, ambos com participação da fazenda Santana.

No período da tarde a visita foi à Fazenda Esperança, no município de Santa Carmem (MT). Como o proprietário Invaldo Weiss estava viajando, o chefe-adjunto de Transferência de Tecnologia, Flávio Wruck, fez a apresentação da fazenda com apoio dos gerentes de pecuária e agricultura. Embora não seja uma URT, a fazenda Esperança é considerada um modelo pela adoção de boas práticas e pelo zelo do produtor.

No local o grupo pode ver a ILPF, a ILP, o reflorestamento e o confinamento para terminação do gado. O cuidado com o bem-estar animal foi um dos pontos que chamaram a atenção na propriedade, com a instalação de um curral anti-stress e com a arborização do entorno do confinamento.

Participaram da visita três jornalistas do Reino Unido: Oliver Morrison, editor de seção do site Food Navigator; Harry Holmes, editor de recursos na revista online The Grocer; e Robert Birkeet, repórter da Crop Science & Agribusiness; a jornalista espanhola Elena Nicolás, que é repórter do jornal online com sede na Bélgica EU Observer; Hélène Parisot, repórter da revista La France Agricole; e Silvia Richter, editora do jornal alemão Rural 21.

Gabriel Faria ((MTB 15.624 MG))
Embrapa Agrossilvipastoril
[email protected]
Telefone: 66 3211-4227

0 Comentário

Fim do conteúdo

Não há mais páginas para carregar