Fazenda Santa Maria | Rio Crespo – RO – Abril/2018

Fazenda Santa Maria | Rio Crespo – RO – Abril/2018

 Com ILP, fazenda Santa Maria quadruplica a produtividade da pecuária

Os irmãos José Carlos Pignaton e Saulo Pignaton estão promovendo uma verdadeira revolução produtiva em Rondônia com a adoção da Integração Lavoura-Pecuária (ILP). O sistema está implantado na Fazenda Santa Maria, em Rio Crespo, a 198 km de Porto Velho. São 4.500 hectares em que 2 mil hectares são agricultáveis, apenas 800 estão ocupados por pastagens, mas com isso se produz 68,5% mais carne do que em 2015. Quando implantaram a ILP, a lotação era de 1,33 UA (unidade animal) e a produção de 6,91 arrobas por hectare (@/ha). Em 2016, esses índices subiram e devem chegar a 3,67 UA e 28,5@/ha em 2020.

Os irmãos foram do Espírito Santo para Rondônia em 1998 para trabalharem com madeira e adquiriram a fazenda em 2002 com foco na pecuária, cria, recria e engorda. E foi depois de um surto de cigarrinha, em 2013, que eles começaram a repensar a forma de lidar com a pecuária, inserindo a agricultura na área. “Há quatro anos nós plantamos soja e há dois nós confinamos o rebanho, dando prioridade à engorda”, diz Saulo, complementando que também tem gado a pasto, num sistema de semiconfinamento que segue depois para o confinamento.  Na área em que cultiva a soja, faz uma safrinha com a Brachiaria Ruziziensis, utilizada como cobertura de solo e fonte de alimento para animais na entre safra.

O produtor destaca que o preparo do solo para o plantio da soja e a compra de máquinas de alto custo são desafiadores para a implementação da ILP, mas são investimentos que, segundo ele, valem a pena. “A pecuária para ser lucrativa precisa de investimentos”, destaca Saulo Pignaton.

De acordo com o engenheiro agrônomo da Embrapa Rondônia, Frederico Botelho, a integração Lavoura-Pecuária em Rondônia se ajusta bem à realidade do estado, que tem na pecuária uma de suas principais atividades. A ILP em Rondônia vem se expandindo em áreas de pastagens degradadas, tornando essas áreas cada vez mais produtivas e eficientes. No estado, Botelho destaca dois tipos principais de integração: a realizada por pecuaristas que recuperaram suas pastagens com o cultivo das lavouras; e os agricultores que estão vindo de outras regiões para ocupar áreas de pastagens degradadas, com foco na agricultura, e que na entre safra, incorporam a pecuária em seus sistemas, incrementando os ganhos com o uso de áreas que estariam ociosas.

 

Conheça mais sobre a ILPF da Fazenda Santa Maria

 

 

[zt_persons slider=”no” pager=”no” controls=”no” auto=”no” item=”1″][zt_person name=”” position=”” phone=”” description=”” image=”images/Saulo Pignaton.jpg” imgtype=”circle” ][/zt_person][/zt_persons][zt_testimonial autoPlay=”yes” numSlides=”1″ paging=”yes” controls=”yes”][zt_testimonial_item bgColor=”#f6f6f6″ textColor=”#747474″ name=”Saulo Pignaton” company=”Proprietário da Fazenda Santa Maria” borderRadius=”4″]“Se o pecuarista pensar como agricultor, hoje a pecuária dá lucro igual a lavoura. Só que temos que investir. As máquinas são caras, é um investimento alto, mas um investimento com retorno.”.[/zt_testimonial_item][/zt_testimonial]

{gallery}fazenda-santa-maria{/gallery}