Projeto ILP no Taim recupera 50% do campo nativo no entorno de reserva no RS – 19/12/2019

Projeto ILP no Taim recupera 50% do campo nativo no entorno de reserva no RS – 19/12/2019

Produtores do entorno do Taim visitaram duas áreas comparativas para identificar a possibilidade de recuperação do campo nativo.

Manejo adequado recupera pastagem nativa com plantio de lavoura de arroz, em sistem a ILP. Projeto apresenta resultados de cinco anos de pesquisa na zona de amortecimento da Reserva Ecológica do Taim, no sul do estado do Rio Grande do Sul.

Durante a tarde de campo Integração Lavoura-Pecuária na Zona de Amortecimento do Taim, pesquisadores mostraram aos produtores ao entorno da Reserva Ecológica do Taim, como é possível fazer pecuária sustentável.

A atividade trouxe resultados comparativos entre duas áreas: uma com tecnologias de manejo de pastagem de primeiro ano, e outra, com tecnologias de manejo de pastagem entre quatro e cinco anos. As condições atuais do espaço demonstrativo, com maior tempo de instalação, realizadas na fazenda Santa Cândida, de propriedade de Cláudio Roberto da Silva, indicaram bons números de cobertura de pastagens e de produção animal.

Um dos grandes benefícios alcançados neste experimento de integração lavoura-pecuária, após um período da área destinada à cultura de arroz, foi a recuperação de mais de cinquenta por cento do campo nativo. Segundo o pesquisador Jamir Silva, o experimento chega ao seu objetivo principal fazer com que o solo esteja coberto, o que preconiza o sistema de ILP. “Saímos de uma lavoura de arroz, entramos com uma pastagem de inverno, manejada de forma ajustada a carga animal, entramos numa fase de ressemeadura, o que permitiu que o campo nativo recomeçasse a aparecer no segundo e terceiros anos do experiment, chegando até o quarto e quinto ano dessa forma, ou seja, ao encontrar um campo nativo fechado, recuperado”, explicou Silva.

Para o produtor parceiro Claudio Roberto da Silva a grande preocupação dos produtores era com a questão ambiental, por ser uma zona de amortecimento, era preciso fazer um trabalho diferente e com mais cuidados. “Chegamos a conclusão que a pior situação de avaliação de um solo é identificar pastagens comuns e degradadas, e desde que decidimos a implantar pastagens com adubação nós obtivemos um solo protegido com massa verde, o que nos permitiu alcançar o acordo que tínhamos entre nós produtores: produzir mais e preservar mais”, disse Claúdio.   

Assim como o produtor, a Estação Ecológica do Taim, através do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade, parceiro envolvido neste projeto, vê as vantagens para toda uma região. No entedimento do chefe da Estação Ecológica do Taim/ICMBIO, Ronaldo Costa, esta atividade vem atender o que a Estação pretende para esse local. ” É um novo modelo de produção agropecuária de arroz e pecuária ao redor da Estação Ecológica do Taim mais sustentável, com mais cuidado em relação a diversidade do solo, fauna e flora, e principalmente, com o aumento da produtividade na atividade produtiva”, considerou Costa.

A tarde de campo foi realizada no dia 3 de dezembro, numa produção conjunta do projeto Integração Lavoura-Pecuária-Floresta da Embrapa, Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), ligado ao Ministério do Meio Ambiente, Estação Ecológica do Taim, Emater/Rs-Ascar e Programa Juntos para Competir.
 

Foto: Cristiane Betemps
Cristiane Betemps (MTb 7418/RS)
Embrapa Clima Temperado

Contatos para a imprensa
[email protected]
Telefone: (053) 3275-8508